Select Page

Itália/Papa alerta para “tentações populistas” e mostra-se preocupado com “crise da democracia”

Itália/Papa alerta para “tentações populistas” e mostra-se preocupado com “crise da democracia”

(ANG) – O Papa Francisco alertou no domngo para a “cultura da rejeição” e as “tentações ideológicas e populistas”, manifestando preocupação com a “crise da democracia”, tendo criticado também o abstencionismo.

“É evidente que no mundo actual a democracia, digamos a verdade, não está de boa saúde. A questão interessa-nos e preocupa-nos porque está em jogo o bem da humanidade”, lamentou o pontífice perante um milhar de pessoas reunidas em Trieste, no nordeste de Itália, para o encerramento da Semana Social organizada pela Igreja Católica italiana.

Sem nomear nenhum país, Francisco alertou contra as “tentações ideológicas e populistas”, no mesmo dia em que a França vota na segunda volta das eleições legislativas, que poderão ser ganhas pela extrema-direita.

“As ideologias são sedutoras. Há quem as compare ao homem que tocava flauta em Hamelin. São sedutoras, mas obrigam-nos a negarmo-nos a nós próprios”, disse.

Antes das eleições europeias, os bispos de vários países já tinham manifestado a sua preocupação com a ascensão do populismo e do nacionalismo na Europa, com a extrema-direita já no poder em Itália, na Hungria e na Holanda.

O líder da Igreja Católica manifestou também a sua preocupação com o aumento da taxa de abstenção em todo o mundo: “Estou preocupado com o pequeno número de pessoas que vão votar: o que é que isso significa?”.

“A própria palavra ‘democracia’ não coincide simplesmente com o voto popular, mas exige que sejam criadas as condições para que todos se possam exprimir e participar. E a participação não se improvisa, aprende-se desde tenra idade, tem de ser ‘treinada’, também com sentido crítico face às tentações ideológicas e populistas”, disse.

O Papa, na sua intervenção, denunciou ainda o que considera obstáculos à democracia, como a corrupção e ilegalidade, exclusão social, marginalização e indiferença.

“Sempre que alguém é marginalizado, todo o corpo social sofre. A cultura da rejeição cria uma cidade onde não há lugar para os pobres, os nascituros, os frágeis, os doentes, as crianças, as mulheres e os jovens”, lamentou, apelando a que se promova a participação desde a infância.

No seu discurso, Francisco destacou, por outro lado, a contribuição que o cristianismo pode dar ao desenvolvimento cultural e social europeu, especialmente em questões relacionadas com a vida e a dignidade das pessoas, como propôs ao Parlamento Europeu no final de 2014.

O Papa, foi também muito crítico para com certas formas de assistencialismo, a ajuda pública aos cidadãos que não se podem sustentar inteiramente por si mesmos.

“Todos devem sentir-se parte de um projecto comunitário, ninguém deve sentir-se inútil. Certas formas de assistência que não reconhecem a dignidade das pessoas são uma hipocrisia social. O assistencialismo, por si só, é inimigo da democracia e do amor ao próximo”, afirmou, acrescentando: “A indiferença é o cancro da democracia”. ANG/Inforpress/Lusa

About The Author

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

Anúncio – Participe do FGI

Videos Recentes

Loading...

Siga-nos

Julho 2024
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031