Select Page

 Estado Unidos/ Morreu Henry Kissinger: o diplomata do século

 Estado Unidos/ Morreu Henry Kissinger: o diplomata do século

(ANG) – Henry Kissinger, antigo secretário de Estado dos Presidentes americanos Richard Nixon e Gerald Ford, morreu nesta quarta-feira, 30 de Novembro, aos 100 anos.

Actor incontornável da diplomacia mundial, durante a Guerra Fria, Kissinger vê a imagem manchada devidos às ligações com o golpe de estado de 1973 no Chile, a invasão de Timor Leste em 1975 e à guerra no Vietname.

Henry Kissinger morreu em casa, no Connecticut e para já não são conhecidas as circunstâncias da morte. Em comunicado a família avança que Kissinger será sepultado numa cerimónia privada da família, seguindo-se posteriormente uma cerimónia pública em Nova Iorque.

Heinz Alfred Kissinger nasceu em Furth, na Baviera, sul da Alemanha, a 27 de maio de 1923, e em 1938 mudou-se para os Estados Unidos com a família, antes da campanha nazi para exterminar os judeus europeus.

Em 1943 naturalizou-se cidadão americano, tendo mudado o nome para Henry. Mais tarde entra para o serviço de contraespionagem e para o exército norte –americano, viajando depois para Europa, durante a segunda Guerra Mundial, como intérprete alemão.

De regresso aos Estados Unidos, inscreve-se em Relações Internacionais, na Universidade de Harvard, antes de aí lecionar e de se tornar um dos seus diretores. É nessa altura que os Presidentes democratas John Kennedy e Lyndon Johnson se começam a aconselhar com Kissinger.

Nos anos 60, Kissinger trabalha como consultor de agências governamentais, actuando como intermediário do Departamento de Estado no Vietname. Utilizou as suas ligações com a administração do presidente Lyndon Johnson para transmitir informações sobre as negociações de paz ao campo de Nixon.

Em 1968, Richard Nixon ganhas as eleições presidenciais com a promessa de acabar com a guerra no Vietname e convida Henry Kissinger como conselheiro de segurança nacional.

Todavia, o processo de transferir o peso da guerra das forças americanas de 500 mil soldados para os sul-vietnamitas – fica marcado por episódios sangrentos  e por bombardeamentos maciços dos Estados Unidos contra o Vietname do Norte, a exploração dos portos do norte e o bombardeamento do Camboja.

Em 1972, Henry Kissinger declara que “a paz está próxima” no Vietname, mas os Acordos de Paz de Paris alcançados em Janeiro de 1973 foram pouco mais do que um prelúdio para a tomada final do sul pelos comunistas dois anos mais tarde.

Um ano mais tarde, para além do seu papel de conselheiro para a segurança nacional, Kissinger foi nomeado secretário de Estado – o que lhe conferiu uma autoridade incontestada na diplomacia norte-americana.

É em 1973 que Henry Kissenger recebe o Nobel da Paz  – atribuído conjuntamente com LeDuc Tho, do Vietname do Norte, que viria a recusá-lo. Na altura, dois membros do Comité Nobel demitiram-se por causa da selecção, quando surgiram questões sobre o bombardeamento secreto do Camboja pelos EUA.

O conflito israelo-árabe implica Kissinger numa diplomacia pessoal, tendo realizado onze viagens entre Israel, a Síria e o Egito até se chegar a um acordo.

Henry Kissinger estabeleceu ainda relações com o principal rival comunista, a China, tendo efectuada duas viagens ao país, incluindo uma secreta para se encontrar com o primeiro-ministro Zhou Enlai.  Os eforços diplomáticos acabaram com a histórica cimeira de Nixon em Pequim com o Presidente Mao Tsé-Tung e a eventual formalização das relações entre os dois países.

A história recorda ainda Kissinger pelo apoio dado a ditaduras como as da Argentina, entre 1976 e 1983, aos últimos anos do regime de Francisco Franco, em Espanha, e ao golpe de Estado contra Salvador Allande, no Chile, em 1973.

Henry Kissinger deslocou-se ainda a Portugal, a 12 de agosto de 1975, para se reunir na com embaixador dos EUA em Lisboa, Frank Carlucci, e vários membros do Departamento de Estado, em Washington, incluindo William Hyland, diretor do Departamento de Informações e Pesquisa do Departamento de Estado.

A deslocação acontece um ano depois do 25 de Abril que derrubou a ditadura e o Governo de Lisboa era liderado por Vasco Gonçalves, o “inimigo número um” dos EUA. Frank Carlucci e William Hyland concluíram que o maior risco para os objetivos norte-americanos eram António de Spínola, o primeiro presidente pós-25 de Abril e que liderou o 11 de março, e a extrema-direita. Na acta da reunião, o ex-secretário de Estado norte-americano defendeu que não era assim “tão contra” um golpe de estado de direita em Portugal durante o processo revolucionário de 1975 e admitiu fornecer armas ao “grupo dos Nove”.

Henry Kissinger abandona a administração norte-americana em 1977, o que não o impediu de manter a sua influência na diplomacia internacional. Em Julho de 2023, foi recebido pelo Presidente Xi Jinping, numa altura de relações tensas entre a China e os Estados Unidos. Henry Kissinger, presença habitual na Casa Branco, trabalhou nos bastidores da diplomacia até ao fim.ANG/RFI

About The Author

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

Videos Recentes

Loading...

Siga-nos

Março 2024
D S T Q Q S S
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31