Select Page

Política/Jovens denunciam “detenção arbitrária” durante manifestação em Bissau

Política/Jovens denunciam “detenção arbitrária” durante manifestação em Bissau

(ANG) – O Secretariado Nacional da Juventude Africana Amílcar Cabral (JAAC) denunciou, no domingo, “o que diz ser detenção arbitrária” de jovens durante uma manifestação junto à sede da CEDEAO, em Bissau.

O grupo pede a “imediata e incondicional libertação” dos detidos.

Um grupo de jovens guineenses manifestou-se, domingo, diante da sede da Comunidade Económica de África Ocidental (CEDEAO), na Guiné-Bissau, para apelar ao “respeito da Constituição” e o regresso ao normal funcionamento da Assembleia Nacional depois da sua dissolução pelo Presidente da República, a 4 de Dezembro. 

A manifestação pacífica aconteceu no dia em que os líderes da CEDEAO se reúnem em cimeira, em Abuja, na Nigéria, e que culminou com apelo ao respeito a Constituição da Guiné-Bissau.

Em comunicado, o Secretariado Nacional da Juventude Africana Amílcar Cabral (JAAC) “denuncia a detenção arbitrária dos dirigentes em pleno exercício do seu direito de manifestar junto da representação da CEDEAO” e exige a “imediata e incondicional libertação” dos detidos.

A vice-secretária-geral da JAAC, Segunda Indami, contou à RFI que a polícia fez quatro detenções e não sabe para onde foram levados os colegas. “Estávamos à frente da CEDEAO, fazendo uma manifestação pacífica, dizendo ‘Queremos a paz, queremos a justiça, queremos o respeito da Constituição da República”, contou.

“Chegaram ali, começaram a dispersar as pessoas, pegaram alguns colegas. Só temos conhecimento de quatro colegas que foram levadas. Neste momento, ainda estamos com dificuldade de confirmar o número exato das pessoas que foram presas. Algumas pessoas estão dispersas e não conseguimos localizar onde estão. É complicado confirmar o número exato de pessoas que foram presas porque, nesse momento, nem sequer sabemos para onde foram levadas. É muito preocupante”, acrescentou.

Entretanto, em comunicado, Domingos Simões Pereira, o Presidente do Parlamento, pediu aos deputados eleitos, em Junho, para que compareçam na Assembleia na quarta-feira. Ele apela à retoma da sessão plenária às 10 horas de quarta-feira.

O líder do parlamento exorta o Governo a garantir as condições de inviolabilidade do espaço. Nas várias entrevistas e declarações públicas que Domingos Simões Pereira -também líder do PAIGC- tem repetido, desde que o Presidente Umaro Sissoco Embaló dissolveu o parlamento, que se os militares impedirem os deputados de acederem às instalações parlamentares estariam a dar eles mesmos um “golpe institucional”.

O presidente do parlamento tem considerado que o decreto presidencial que dissolveu a Assembleia não tem força jurídica por não respeitar a Constituição que impõe um limite de 12 meses, após as eleições legislativas, antes de o parlamento poder ser dissolvido.

O Presidente Umaro Sissoco Embalo dissolveu a assembleia, na segunda-feira, justificando com a existência de uma grave crise institucional no país, depois de confrontos armados entre elementos da Guarda Nacional e as Forças Armadas dias antes, algo que qualificou como “tentativa de golpe de Estado”.

Para Domingos Simões Pereira essa decisão do chefe do Estado não tem força jurídica à luz da Constituição da Guiné-Bissau e o impedimento dos deputados em aceder às instalações foi qualificado por ele como “um efetivo golpe institucional por parte de militares”.

Com a dissolução do parlamento, o Presidente guineense informou que o Governo liderado pelo primeiro-ministro, Geraldo Martins, fica em gestão até à formação de um novo executivo que prometeu para esta semana. ANG/RFI

About The Author

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

Videos Recentes

Loading...

Siga-nos

Março 2024
D S T Q Q S S
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31