Select Page

Suíça/ Líderes pedem esforço para acabar guerra em conferência pela paz na Ucrânia

Suíça/ Líderes pedem esforço para acabar guerra em conferência pela paz na Ucrânia

(ANG) – Mais de dois anos após a invasão russa, líderes de mais de 90 países reuniram-se no fim de semana em um hotel em Bürgenstock, no centro da Suíça, para discutir maneiras de colocar um fim ao maior conflito da Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

O comunicado final da reunião, que ficou pronto no início da tarde de domingo (16), foi considerado “satisfatório” e “equilibrado” por Kiev, mas o presidente Volodymyr Zelensky disse que os russos não estão prontos para “uma paz justa”.

O texto, que é apoiado pela grande maioria dos cerca de cem participantes, também reafirma “os princípios de soberania, independência e integridade territorial de todos os Estados, incluindo a Ucrânia”.

“Acreditamos que alcançar a paz requer participação e diálogo entre todas as partes”, diz o documento. “Decidimos, portanto, tomar medidas concretas no futuro nas áreas mencionadas acima, com maior engajamento de representantes de todas as partes”.   

Vários participantes lamentaram a ausência da Rússia,que não foi convidada para o encontro, incluindo a Arábia Saudita e o Quênia. Cerca de 80 países apoiam a declaração final. Brasil, Índia, Arábia Saudita estavam ausentes no início da tarde. 

O comunicado também ressaltou que “a segurança alimentar não deve ser militarizada de forma alguma”. A invasão da Ucrânia, um dos principais exportadores de grãos do mundo, teve graves repercussões para o abastecimento dos países pobres e também para a inflação. A paralisação das exportações russas de fertilizantes teve o mesmo efeito no início do conflito.   

O comunicado final também exige a libertação dos prisioneiros de guerra e “de todas as crianças ucranianas deportadas e deslocadas ilegalmente”. O texto também pede que todos os civis ucranianos detidos ilegalmente sejam devolvidos à Ucrânia.

Mas, de acordo com o chanceler austríaco Karl Nehammer, que participou da reunião, o documento não obteve o consenso de todos os participantes. O texto, cujos detalhes não foram divulgados, não precisa ser aprovado por unanimidade. “Ele é equilibrado e todas as posições apresentadas pela Ucrânia foram levadas em conta”, disse Dmitro Kuleba.

“Sabemos que vai chegar uma hora em que teremos que conversar com a Rússia”, disse o chefe da diplomacia ucraniana aos jornalistas em Bürgenstock. “Mas nossa posição é muito clara: não vamos permitir à Rússia nos dar ultimatos, como vem fazendo nesse momento.

O Kremlin não descarta negociações com a Ucrânia, mas exige “garantias” que as medidas sejam colocadas em prática. O país não foi chamado para participar da cúpula e a China, sua grande aliada, recusou o convite. Por essa razão, as propostas de paz discutidas no encontro foram todas formuladas por Kiev, garantiu Dmitro Kuleba.

Para encerrar a guerra, o presidente russo, Vladimir Putin, exige que a Ucrânia renuncie a todos os territórios reivindicados por Moscou e à futura adesão do país à Otan. Kiev, por outro lado, insiste em recuperar todos os territórios ocupados pela Rússia desde 2014, incluindo a península da Crimeia.

O ministro austríaco das Relações Exteriores, Alexander Schallenberg, disse que ainda é cedo para saber se a reunião de Bürgenstock poderá levar de forma concreta a negociações de paz e não descartou a hipótese de organizar uma conferência  Arábia Saudita.

Neste sábado (15), o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, recebeu disse ter esperança de que será possível unir a comunidade internacional em torno de uma proposta de paz que seria apresentada a Moscou. “Devemos decidir juntos o que significa uma paz justa para o mundo e como ela pode ser alcançada de forma sustentável”, disse ele no sábado. 

No domingo, as delegações se divirgirem em três grupos de trabalho sobre questões concretas e urgentes: segurança nuclear, segurança alimentar global, incluindo a garantia da liberdade de navegação no Mar Negro.

As discussões se concentraram em questões relacionadas a prisioneiros de guerra e civis e ao destino de pessoas desaparecidas. Haverá também a questão do repatriamento de crianças retiradas dos territórios ucranianos ocupados para a Rússia.

“Vimos cerca de 20.000 crianças ucranianas retiradas de suas famílias, comunidades e países. É aterrorizante dizer isso, e como o mundo pode virar as costas?”, disse o primeiro-ministro irlandês, Simon Harris.  Os líderes também discutiram segurança das usinas nucleares ucranianas especialmente, a de Zaporijia, a maior da Europa, ocupada pelos russos. ANG/RFI

About The Author

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

Anúncio – Participe do FGI

Videos Recentes

Loading...

Siga-nos

Julho 2024
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031