Select Page

Frente Social/Greve afeta mais setor da Saúde do que Educação

Frente Social/Greve afeta mais setor da Saúde do que Educação

(ANG) – A greve geral de três dias decretada pela Frente Social no país, está a afetar mais o setor da Saúde do que a da Educação, disse terça-feira à Lusa o presidente do sindicato dos professores.

De acordo com Alfredo Biaguê, vários professores ligados ao Sindeprof (Sindicato Democrático dos Professores) não aderiram à greve “por medo de represálias” do Governo.

“Nas outras greves decretadas, os nossos associados foram cortados no salário, por isso muitos estão com medo dessa medida”, observou o dirigente.

O Sindeprof e a Frenaprof (Frente Nacional dos Professores e Educadores) são os sindicatos de docentes filiados na Frente Social, em representação do setor da Educação enquanto o Sinetsa (Sindicato Nacional dos Enfermeiros, Técnicos de Saúde e Afins) e a Sinquasa (Sindicato de Quadros da Saúde) representam o setor da Saúde.

A Lusa constatou, em Bissau, que praticamente todas as escolas públicas se encontram em funcionamento hoje, uma situação confirmada pelo presidente do Sindeprof.

Alfredo Biaguê observou que “alguns professores aderiram à greve”, mas admitiu que “muitos estão a dar aulas”.

“É o medo que está a funcionar”, declarou Biaguê.

A paralisação laboral é mais notória no setor da Saúde, nomeadamente no Simão Mendes, principal hospital da Guiné-Bissau, onde os técnicos prestam apenas os serviços mínimos.

No caderno reivindicativo da Frente Social constam, entre outros pontos, o pagamento de dez meses de salário em atraso aos professores e técnicos de saúde, a efetivação de novos quadros contratados pelo Governo para os dois setores, a adoção de um novo currículo escolar, bem como a melhoria de condições laborais.

Alfredo Biaguê notou que além destes pontos, o setor da Educação reivindica a reposição de subsídio aprovado pelo parlamento, mas eliminado pelo Governo, referente à carga horária dos professores.

O sindicalista afirmou que o Governo decidiu “de forma unilateral” substituir a carga horária por “subsídio de giz”.

“Uma coisa não tem nada a ver com outra”, sublinhou Alfredo Biaguê.ANG/Lusa

About The Author

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

Videos Recentes

Loading...

Siga-nos

Abril 2024
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930