Select Page

Itália/Governo investe 5,5 mil milhões em nova estratégia de cooperação com África

Itália/Governo investe 5,5 mil milhões em nova estratégia de cooperação com África

(ANG) – O Governo italiano reuniu 5,5 mil milhões de euros para lançar uma nova estratégia de cooperação com África que ajude a controlar os fluxos migratórios para Itália e para a Europa, anunciou segunda-feira a primeira-ministra, Giorgia Meloni.

O “Plano Mattei” – nome da estratégia em homenagem a Enrico Mattei, fundador da Eni (o gigante estatal italiano da energia), que nos anos 50 defendeu uma relação de cooperação com os países africanos, que passava por ajudá-los a desenvolver os seus recursos naturais – “pode contar com 5,5 mil milhões de euros entre créditos, doações e garantias”, disse Meloni.

Este valor total soma “cerca de 3,0 mil milhões do Fundo Italiano para o Clima e 2,5 mil milhões do Fundo de Cooperação para o Desenvolvimento”, detalhou a a chefe do Governo de Itália.

A chefe do Executivo italiano falava na abertura de uma cimeira que reúne 22 chefes de Estado e de governo africanos, líderes da União Africana (UA), da União Europeia (UE) e das principais organizações multilaterais durante o dia de hoje no Palazzo Madama, sede do Senado italiano, em Roma.

Um grande centro de formação profissional para as energias renováveis em Marrocos, projetos de educação na Tunísia e de acessibilidade sanitária na Costa do Marfim são exemplos de “alguns dos projetos-piloto” do “Plano Mattei”, de acordo com Meloni.

“A partilha é um dos princípios fundamentais do ‘Plano Mattei’ e o trabalho desta cimeira será decisivo para enriquecer esse caminho”, explicou a chefe do Governo de extrema-direita, que mencionou ainda existência de projetos na Argélia, Moçambique, Egito, República do Congo, Etiópia e no Quénia.

A proposta da Itália é “tornar-se um centro natural para o abastecimento energético de toda a Europa”, um “objetivo que, segundo Meloni, pode ser alcançado se a energia for utilizada “como uma chave para o desenvolvimento de todos”.

“O interesse da Itália é ajudar as nações africanas interessadas em produzir energia suficiente para as suas necessidades e exportar o excedente para a Europa, combinando duas necessidades: a necessidade africana de explorar esta produção e gerar riqueza, e a necessidade europeia de garantir novas rotas de abastecimento energético”, esclareceu.

O objetivo do “Plano Mattei” é construir uma nova parceria entre a Itália e o continente africano que se estenda à UE, dando a Roma uma maior influência internacional, nomeadamente na zona do Mediterrâneo, permitindo-lhe um maior controlo da imigração.

A líder de extrema-direita, que durante a campanha eleitoral que a levou ao poder em outubro de 2022 prometeu cortar o fluxo de desembarques em Itália de migrantes provenientes do norte de África, estabeleceu como um dos objetivos do seu mandato reduzir a pressão migratória, que em 2023 estabeleceu um novo recorde, com mais de 157.000 pessoas a chegarem às costas italianas.

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) das Nações Unidas – que enviou a Roma a sua diretora-geral, Amy Pope – fez hoje saber, em Genebra, que o número de mortes e desaparecidos nas rotas migratórias do Mediterrâneo central e oriental desde o início de 2024 está já perto de uma centena.

Este número representa o dobro do registado no mesmo período em 2023, um dos anos com mais mortes e desaparecimentos no Mediterrâneo na última década.

O número de mortos e desaparecidos no Mediterrâneo disparou de 2.048 em 2021 para 2.411 em 2022 e 3.041 no ano passado.

Nas últimas seis semanas, três embarcações que transportavam um total de 158 pessoas da Líbia, do Líbano e da Tunísia terão naufragado, e a OIM contabilizou até agora 73 dessas pessoas como desaparecidas.

O problema da migração ocupou o centro do discurso da presidente da Comissão Europeia no Palazzo Madama. Ursula Von der Leyen sublinhou a necessidade de se “travar a trágica perda de vidas ao longo das rotas migratórias”, para o que é essencial “oferecer melhores oportunidades aos jovens” neste momento de “intensa e renovada cooperação entre África e Europa”.

“Não é apenas a geografia que nos une, mas também o compromisso de trazer benefícios mútuos a todos os nossos povos”, afirmou Von der Leyen na abertura desta cimeira Itália-África, em que participa com o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, e com a presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsuola. ANG/Inforpress/Lusa

About The Author

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

Videos Recentes

Loading...

Siga-nos

Março 2024
D S T Q Q S S
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31