Select Page

Níger/Junta militar no poder aceita mediação proposta pela Argélia

Níger/Junta militar no poder aceita mediação proposta pela Argélia

(ANG)- O Níger aceitou a mediação da Argélia, que tinha proposto “um plano de transição de seis meses” às forças militares que tomaram o poder neste país da África Ocidental, anunciou hoje o Ministério dos Negócios Estrangeiros argelino.

“O governo argelino recebeu, por intermédio do Ministério dos Negócios Estrangeiros do Níger, a aceitação da mediação destinada a promover uma solução política para a crise no Níger”, declarou o ministério em comunicado.

O presidente argelino, Abdelmadjid Tebboune, deu instruções ao chefe da diplomacia, Ahmed Attaf, “para se deslocar a Niamey o mais rapidamente possível para iniciar conversações (…) com todas as partes envolvidas”, segundo o comunicado.

No final de Agosto, Argel tinha proposto discussões políticas “durante um período máximo de seis meses (…) com a participação e a aprovação de todos os partidos do Níger sem exclusão”, sob a supervisão de uma “autoridade civil dirigida por uma figura consensual aceite por todos os quadrantes da classe política”, a fim de conduzir ao “restabelecimento da ordem constitucional no país”.

Argel considera que “a aceitação da iniciativa argelina reforça a opção de uma solução política para esta crise e abre o caminho para que estejam reunidas as condições para a ultrapassar pacificamente no interesse do Níger e de toda a região”, acrescentou o Ministério dos Negócios Estrangeiros.

O Níger é governado há mais de dois meses por um regime militar que chegou ao poder após um golpe de Estado que derrubou em 26 de Julho o Presidente eleito Mohamed Bazoum.

Os advogados de Bazoum anunciaram também hoje que vão apresentar uma queixa contra os autores do golpe de Estado.

No anúncio, divulgado num comunicado, os advogados acrescentam que vão enviar a questão ao Conselho dos Direitos Humanos da ONU.

A queixa, que a AFP consultou hoje, visa o general Abdourahamane Tiani, o novo homem forte do Níger, e “todos os outros”, por “atentado e conspiração contra a autoridade do Estado, crimes e infracções cometidos por funcionários públicos e detenções e confinamentos arbitrários”.

Mohamed Bazoum está detido desde a deposição pelos militares nigerinos. ANG/Angop

About The Author

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

Anúncio – Participe do FGI

Videos Recentes

Loading...

Siga-nos

Junho 2024
D S T Q Q S S
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30