Select Page

Inspetor da Educação de Ilhêu de Rei lamentapéssimas condições de trabalho dos professores

Inspetor da Educação de Ilhêu de Rei lamentapéssimas condições de trabalho dos professores

(ANG) – O   Inspetor da Educação de Ilhêu de Rei, lamentou as péssimas condições de trabalho que os professores colocados naquela localidade sobretudo no que toca a situação de transporte que é extremamente difícil.

Carlos Cuma fez essa lamentação durante uma reportagem realizada pelo repórter do Jornal Nô Pintcha, na qual disse que,  não é possível a ilha ficar sem canoa que possa fazer carreira regular, para ajudar na circulação de pessoas e seus bens.

Reconheceu que os professores trabalham num ambiente de muito sacrifício, provocado por falta de água, falta de mercado ou de um estabelecimento comercial para fazer compra pelo menos de uma bolacha para saciar à fome, frisando que,  esses fatores que contribuem no retrocesso do processo de ensino e aprendizagem dos alunos.

Disse que, já entregou vários relatórios ao Ministério da Educação sobre a situação da escola e de professores colocados no Ilhéu do Rei, mas nunca recebeu uma única resposta, desde que foi nomeado inspetor-geral nessa zona.

“Nunca recebemos a visita de um ministro da Educação e nem de altos dirigentes do Ministério e para inverter essa situação, a comunidade deve envolver-se seriamente, porque o atraso de professores em relação à hora de início das aulas não foi por culpa própria, mas sim por falta de colaboração de próprios moradores da ilha”, explicou.

Aquele responsável conta que,  várias vezes presenciou situações onde os professores foram abandonados no porto sem poder fazer nada. Mas a comunidade, por sua vez, entende que esses não querem dar aulas e optam em matricular seus filhos em Bissau.

Informou que, inicialmente, a escola não tinha sido contemplada no grupo de escolas que deveriam beneficiar de cantina escolar, mas graça ao seu esforço conseguiu integrar a escola dentro do programa, mas, infelizmente, os pais e encarregados de educação não estão a contribuir para o seu sucesso.

Sobre a situação de ensino, o Nô Pintcha falou com a professora Janine Iracema dos Santos Dias, quem reafirmou que, de facto, enfrentam enormes dificuldades, a começar por desprezo na travessia e a falta de colaboração da comunidade.

“Os alunos que estudam em Bissau, às vezes, chegam atrasados, devido à insuficiência de meio de transporte. A única canoa que faz carreira é muito pequena, pelo que não consegue levar todos passageiros de uma só vez”, lastimou.

Aquela educadora disse que todos os dias levantam às quatro de manhã para poderem chegar antes das oito horas na escola, mas são desmerecidos no porto pelos proprietários de canoas e que há dias em que ficam lá até às nove horas a espera, às vezes até às 10 horas e nos outros dias não conseguem mesmo travessar, embora nunca chegam atrasado no porto, aliás, o único atraso é na travessia, pelo que as aulas começam de acordo com a hora das suas chegadas.

“Dar aulas nessas condições é extremamente difícil, mesmo com atraso na hora de chegada, os pais e encarregados de educação de alunos não facilitam, porque não mandam seus filhos para escola enquanto não chegamos, Muitas vezes nós é que saímos a procura de alunos casa-à-casa, porque se não fizermos isso não haverá aulas”, lamentou.

Aquela professora disse que se forem criadas condições não têm problema de residir na Ilha, aliás, isso vai os ajudar muito no cumprimento de horas letivos, mas a comunidade entende o contrário, isso os leva a tirar seus filhos da escola.

Os populares preferem mandar seus filhos para Bissau sem importar de risco de vida, como se a Ilha não tivesse escola”, salientou.

Para Janine, o comportamento dos pais e encarregados de educação de crianças está a levar a escola à queda livre, porque daqui há alguns anos não vão ter alunos, salientando que, isso já se tornou moda, ou seja, cada ano letivo os pais mandam seus filhos para Bissau.

“Agora temos problema de alunos no terceiro e quarto ano. Prova disso é que neste ano letivo há somente quatro alunos no quarto ano, e 10 no terceiro. Como é que um professor vai sair de Bissau para vir dar aulas apenas a quatro ou dez alunos, portanto não temos outra escolha, somos obrigados a trabalhar nessas condições”, referiu.

Por sua vez, o vice-presidente da Associação de Filhos e Amigos do Ilhéu do Rei, Hortênsio da Silva, disse que a conjuntura do país leva os jovens a refugiar-se em várias atividades para sobreviver.

Em relação às críticas levantadas sobre o comportamento da comunidade, disse que ele, enquanto responsável dos jovens, participou, algumas vezes, na limpeza da escola e que agora são responsáveis de famílias e cada um tem sua ocupação e só no tempo livre que podem ajudar”.

Hortênsio da Silva disse, por outro lado, que a população da ilha sente-se abandonada pelo Estado e Ilhéu do Rei é uma vila mais perto de Bissau e menos desenvolvida.

O Ilhéu do Rei, é das vilas mais pertos da capital Bissau, mas em termos de desenvolvimento figura na última posição, porque ali falta quase tudo. Aliás, essa pequena localidade cercada de água faz parte do Círculo Eleitoral 24, juntamente com bairros de Cupelum, Santa Luzia e “Praça”. Essa localização geográfica coloca a ilha na lista de zonas periféricas da capital.

Ilhéu do Rei situa-se ao largo de Bissau, com uma distância de pouco menos de 10 minutos de navegação em piroga. De acordo com relatos de alguns moradores, atualmente o Ilhéu do Rei tem mais de mil habitantes, habitado maioritariamente por etnia papel seguido de balantas.ANG/NÔ Pintcha

About The Author

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

Anúncio – Participe do FGI

Videos Recentes

Loading...

Siga-nos

Junho 2024
D S T Q Q S S
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30