Select Page

Marrocos/FMI e Banco Mundial regressam a África para debater continente em dificuldades

Marrocos/FMI e Banco Mundial regressam a África para debater continente em dificuldades

(ANG) – O Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial (BM) começam hoje os seus Encontros Anuais em Marraquexe, Marrocos, marcados pelo regresso a África, um continente em dificuldades que contrastam com a “notável resiliência” da economia mundial.

Nas reuniões que assinalam o regresso a África, depois dos Encontros no Quénia, em 1973, o FMI e o BM deverão apresentar uma revisão em baixa do crescimento para o continente, com o Banco Mundial a ter apresentado já a sua estimativa de crescimento para a região, que abranda para 2,5% este ano, depois de crescimentos de 4,8% em 2021 e 3,8% no ano passado.

Os trabalhos começam hoje e têm em agenda uma sessão sobre empresárias africanas e outra que incide sobre a Guiné-Bissau e como melhorar a gestão da despesa com os funcionários públicos através do recurso ao ‘blockchain’, ou seja, a uma base de dados que liga vários departamentos e está acessível em tempo real.

Na terça-feira será lançado o relatório sobre as Perspectivas Económicas Mundiais, no mesmo dia em que é apresentado o documento sobre a Estabilidade Financeira Global e é feito um debate sobre o combate à pobreza.

Ainda na terça-feira, a Guiné-Bissau torna a estar em destaque, com um debate sobre a digitalização da gestão da administração pública.

No dia seguinte é feita a abertura oficial dos Encontros do Banco Mundial, com a conferência de imprensa do presidente, Ajay Banga, e é apresentado o ‘Fiscal Monitor’, a cargo do antigo ministro das Finanças de Portugal Vitor Gaspar e diretor do departamento, havendo ainda lugar a um debate sobre o sobre endividamento nos países mais desfavorecidos.

Na quinta-feira, a questão da dívida estará em lugar de destaque, com um debate que, para além dos líderes do FMI e do BM, terá também a presença do ministro das Finanças da Zâmbia, o primeiro país africano a entrar em Incumprimento Financeiro a seguir à pandemia e a solicitar, há mais de dois anos, uma reestruturação da dívida, num processo que ainda decorre.

Na sexta-feira são apresentados os relatórios regionais sobre as economias europeias e africanas, e a ministra das Finanças de Angola participa num debate sobre a construção de resiliência económica e os desafios para os mercados emergentes, antes de terminarem os Encontros, no sábado, com o anúncio de quem vai receber as reuniões de 2026.

ANG/Inforpress/Lusa

About The Author

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

Videos Recentes

Loading...

Siga-nos

Abril 2024
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930