Select Page

Balanço 100 dias de governação/Primeiro-ministro anuncia intenção de criação de  Banco  de Crédito para combater a pobreza

Balanço 100 dias de governação/Primeiro-ministro anuncia intenção de criação de  Banco  de Crédito para combater a pobreza

(ANG) – O Primeiro-ministro, Geraldo João Martins anunciou a intenção do Governo de criar um Banco de Crédito  para apoiar as mulheres por forma a desenvolveram  actividades geradores de rendimento, contribuindo assim para o combate a pobreza no país.

O chefe do Governo guineense fez esta revelação em entrevista  aos jornalistas de órgãos públicos de informação, no quadro do balanço de 100 dias de governação.

Disse que é hábito, em toda a parte do mundo, o Governo celebrar 100 dias de governação, por ser um período, que muitos chamam de “período de graça”, em que  o Executivo prepara os seus principais instrumentos de governação, com destaque para o Orçamento Geral de Estado (OGE) e o Programa do Governo, para quatro anos.

Afirmou que o Banco de Crédito pode sim ajudar no combate a pobreza, porque a pessoa que vai receber crédito à partir deste Banco não precisa de apresentar garantias, como nos bancos comerciais para ter acesso ao crédito, mas  apenas  dois testemunhos  e com taxa de juro de zero por cento sobre o valor emprestado.

Geraldo Martins disse que está possibilidade consta no Programa do Governo, aprovado recentemente na Assembleia Nacional Popular, por ser um dos caminhos para combater a probreza, enquando se espera para asegurar o crescimento económico  do país.

Perguntado  se o setor da educação constitui, de facto, maior desafio do Governo, o primeiro-ministro não confirmou  nem recusou, limitando-se a dizer que o setor apresenta vários desafios.

“Basta ver os indicadores para perceber que o país não  cumpre o objectivo de escolarização primaria universal Todos concordam comigo de que é dever do Estado garantir educação básica à população, pois hoje em dia muitos alunos não conseguem concluir o 9º ano de escolaridade”, disse.

Geraldo Martins disse que, quando se fala da escolaridade universal, não tem a ver com percentagem das alunos inscritos no sistema, mas sim com os que  não concluiram o 9º  ano de escolaridade.

Afirmou que, o sector da Educação se depara com dois  problemas, e que o primeiro se relaciona com oferta ,o segundo com a procura.

O lado da oferta, conforme o primeiro-ministro, tem a ver com cíclos incompletos ou seja um estabelecimento  do ensino na região recebe alunos até quarta classe e esta descontinuidade tem que ser resolvido,com criação de ciclos completos para permitir que os alunos possam estudar numa determinada escola desde primeira classe até o 9º  ano.

Acrescenta  que, o lado da procura tem a ver com as raparigas que são forçadas à se casar antes de concluirem o 9º ano e outros para ajudar os pais nas tarefas de produção.

Um outro desafio, apontado pelo primeiro-ministro tem a ver com a falta de instituições de formação técnico profissional nas regiões, e diz que  é necessário alargar os centros de formação  profissional.

Para o efeito, disse que, ao longo dos  quatro anos de mandato está prevista a construção de  um  Centro de Formação Profissional, em cada região.

Instado a falar sobre a liberdade imprensa no país, Geraldo Martins disse que a sociedade guineense tem um pato social político ou seja, a Constituição e demais leis, dão direito à todo cidadão a liberdade de exprimir desde que não ponha em causa direitos do seu concidadão.

“A minha percepção é que devemos criar condições para que haja liberdade de expressão, de manifestação e de protesto”, afirmou, garantindo que o Governo, em nenhum momento, vai reprimir ou impedir qualquer que seja manifestação com base no respeito das normas em vigor no país, por estar contra a repreensão.

Interrogado sobre processos de junta médica no país, o Chefe do Governo qualificou de triste a questão, e diz que  soube de vários casos de doentes com patológios que precisam de cuidados especializados, mas que acabam por ficar e também de outras pessoas, que as vezes não necessitam de evacuação mas que acabam por ser evacuadas.

Por isso, prometeu criar condições para resolver estas questões, com a construção de um Centro hospital Especializado, para permitir que algumas doenças sejam tratadas no país.

Disse que vários médicos que trabalham em Portugal e noutros países estão dispostos a virem ajudar o país. ANG/LPG/ÂC//SG

About The Author

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

Videos Recentes

Loading...

Siga-nos

Março 2024
D S T Q Q S S
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31