Select Page

Primeiro-ministro diz  que HNSM precisa de uma atenção “muito especial”

Primeiro-ministro diz  que HNSM precisa de uma atenção “muito especial”

(ANG) –  O Primeiro-ministro disse hoje  que o Hospital Nacional Simão Mendes (HNSM), o maior centro hospitalar do país, precisa de uma atenção “muito especial”.

Geraldo João Martins que falava à imprensa depois de constatar in loco os problemas com que se debate o HNSM disse que viu um  afluxo de pacientes, mas que na verdade podiam ir para outros centros, mas que, infelizmente, HNSM é o mais procurado pela população.

Lamentou que a capacidade de acolhimento do HNSM esteja aquem da procura, por falta de pessoal técnico. E diz ter constatado que  há edifícios que precisam de ser reabilitados, algumas salas que se encontram  fechadas por causa de infiltração de água e também   situação de salários em atraso do pessoal contratados, e outras situações.

Revelou que o governo tem uma ideia de médio prazo para transformar HNSM num hospital de grande qualidade e que existem várias propostas para este centro.

Garantiu que, a partir de Janeiro próximo cerca de mil técnicos serão reintegrados no sistema de saúde e que o pessoal vai beneficiar de um programa de formação e de intercâmbio com outros países, no sentido de melhorar a formação do pessoal médico.

Questionado sobre a falta de estoque de sangue, há muito tempo, respondeu que a direção do hospital está a trabalhar no sentido de ultrapassar a situação, Martins disse acreditar que vão conseguir resolvê-lo a curto prazo.

 “O diretor do serviço da pediatria me informou que houve um dia que atenderam cerca de 600 pacientes, o que é superior a capacidade de atendimento daquele serviço”, disse.

Disse que, o responsável do hospital lhe mostrou várias unidades nomeadamente, urgência, maternidade, neonatologia, centro de produção de oxigénio, centro de telemedicina  que ainda estão em construção.

Segundo o PM decorre uma campanha  de sensibilização para que as pessoas passam a procurar os centros de saúde nos seus próprios bairros, porque alguns estão a funcionar 24 sobre 24 horas e que atendem vários casos que não tem necessidade de serem levados ao HNSM.

Anunciou que,
brevemente chegarão  ambulâncias destinadas a fazer triagens, e que o Governo avalia possibilidades de  construir um hospital Materno-infantil e outro regional que diz estar a  faltar e que o HNSM passará a ser o de referência.

Martins disse que viu o serviço pediátrico e da maternidade que quase tem 50 por centro das camas do HNSM ,como se fosse  hospitail dentro de um hospital e defende  que é necessário fazer o descongestionamento.

Abordado sobre falta de pessoal médico nos postos de atendimento respondeu que essa situação é uma constatação mas que  vai ser resolvida através da melhoria da gestão dos  recursos humanos no sistema de saúde.

 “Outro problema é sobre os incentivos salariais, mas tenho a consciência de que o salário dos médicos e dos especialistas é infímo, o que muitas das vezes os obriga a refugiar nas clínicas”, disse o governante.

Durante a visita, Geraldo Martins foi abordado por uma jovem de 23 anos de idade com sua filha de seis meses  que padece de um tumor que cobre da  boca ao abdômen do bebé, que lhe pediu  socorro, e primeiro-ministro prometeu diligenciar para a  evacuação da criança, o mais depressa possível.

O Hospital  Nacional Simão Mendes tem cerca de  600 camas para internamento e um quadro de pessoal efetivo de mais de 600 pessoas e mais de 100 contratados, com a missão de tratar casos que não podem ser tratados noutros centros de saúde. ANG/JD//SG

About The Author

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

Anúncio – Participe do FGI

Videos Recentes

Loading...

Siga-nos

Junho 2024
D S T Q Q S S
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30