Select Page

Regiões/Filhos e Amigos do sector de Empada criam Cooperativa Agrícola

Regiões/Filhos e Amigos do sector de Empada criam Cooperativa Agrícola

(ANG) – Os Filhos e Amigos do sector de Empada, região de Quinará, sul do país,  criam Cooperativa Agrícola para promover a diversificação da produção agrícola visando o combate a fome e a dependência da  monocultura de caju.

Para o efeito, uma Comissão instaladora da referida Cooperativa Agrícola, cujo o presidente é Arlete Mendes Pereira foram recebidos, terça-feira, pela Assessora do Primeiro-ministro para Área da Educação e Saúde Maria Francisca Medina Dabó.

Arlete Mendes Pereira justificou a criação da Cooperativa com os riscos de fome que a população do setor enfrenta, quase todos os anos, em consequência da má campanha da comercialização da castanha de caju, no país.

“Criamos esta Cooperativa para  sensibilizar as pessoas  a promover a diversificação da produção agrícola no setor como forma de combater a fome”, disse o Presidente da Comissão Instaladora da Cooperativa Mendes Pereira em declarações à imprensa.

Acrescentou  que pretendem sensibilizar a população do setor de Empada para produzir  mais arroz, feijão, Mancara, Nhambi e outros tubérculos, para que não haja fome no setor em caso da má  campanha de venda da castanha.

Informou que a aproveitaram a ocasião para pedir  apoio ao Primeiro-ministro  para a realização da Assembleia Geral constituinte da organização, marcada para decorrer entre 26 e 28 deste mês, sob o lema, “Juntemos as mãos para lutar contra a fome em Empada”, por forma a legitimar os órgãos sociais da Cooperativa assim como o estatuto e regulamento interno da organização.

“Depois da realização da Assembleia Geral constituinte a organização estará em condições de procurar fundos junto de alguns projetos que apoiam a produção agrícola para contribuir no desenvolvimento do setor de Empada”, disse Mendes Pereira.

Instado a falar da atual situação social do setor, Mendes Pereira disse que não está bem tendo em conta a má campanha de comercialização da castanha de caju de 2023. “Neste momento as pessoas  estão numa situação de dificuldades”, referiu.

Mendes Pereira  criticou a alegada má qualidade do arroz que está a ser comercializado naquele setor no valor de 17 500 xof.

Em relação a segurança disse que os elementos de Guarda Nacional colocados no setor são insuficientes e que se deparam com dificuldades em termos de meios de transporte, para fazer face a enúmeros problemas de roubos e de violência que ocorrem no setor..ANG/LPG/ÂC//SG

About The Author

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

Videos Recentes

Loading...

Siga-nos

Abril 2024
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930